segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

A FLOR DO DESERTO CIRCUNCISADA. A circuncisão feminina e seus traumas para as mulheres



Hoje parei para ver o filme autobiográfico da modelo somali (país Somalia, língua árabe do norte da África) Waris Dirie, "Uma flor do deserto".

O filme me emocionou muito, há cenas que não consegui ver sem chorar.

O que conta o filme:

A história da menina somali que foge da vila onde mora com seus pais, em uma espécie de vida nômade. Pobres e sem perspectiva de vida, a família vende a menina aos doze anos de idade a um homem bem mais velho, onde ela seria sua quarta esposa.
Liya Kebede e Waris Dirie
A menina que não aceita se casar foge da vila para a cidade e encontra sua avó. Sua avó então arruma seu passaporte e manda-a para Londres para encontrar um parente na embaixada. A menina trabalha lá até a Somália entra em guerra e pede a todos que voltem ao páis. Ela não querendo voltar fica em Londres ilegalmente por anos. Até que faz amizade com uma moça que lhe ajuda.



Quando Waris é descoberta por um fotógrafo ela está trabalhando como faxineira em uma lanchonete. Então a história começa.
Mais tarde quando começa a se tornar famosa e precisa viajar pelo mundo, sua agente descobre que seus documentos estão ilegais e então Waris vai presa. E aí começa todo o desenrolar do filme.

Um filme lindo, cheio de sentimentos.


O livro que virou filme
Waris é uma ativista da ONU atualmente contra a circuncisão feminina. Mas a prática ainda permanece por desinteresse das autoridades e por ser um rito cultural.

No filme ela conta como foi o procedimento para a retirada do clitóris, pequenos lábios e lábios externos da vagina e o fechamento da mesma, deixando apenas um oricício do tamanho de uma cabeça de palito.
Ela diz que o procedimento é sem anestesia, sem higienização e muitas morrem.

Em fim um ato de crueldade e de desinformação. Uma crença sem fundamentos, onde mutilam mulheres e as deixam psicologicamente doentes.

Assista ao filme "UMA FLOR DO DESERTO" e veja a reportagem da G1 que fala da médica EGÍPCIA que também teve o mesmo problema.
E ela não é a única a falar abertamente sobre o assunto. A médica egípcia Nawal El Saadawi, também circuncidada, chegou a ser presa em seu Egito natal após falar do tema e fazer campanha contra a prática. Sua história foi contada no livro "A daughter of Isis" ('Filha de Isis'), e em outros em que aborda a questão feminina nos países do Oriente Médio.
Esse procedimento é ainda usado no interior do Egito por famílias mais tradicionais e que geralemente vivem da agricultura e uma vida quase ainda primitiva. O ato não é praticado nas grandes cidade do Egito onde as pessoas já têm uma melhor escolarização e informação.




Video recente sobre a Mutilação Genital Feminina no Egito



clique no link abaixo para ler:

'É impossível descrever a dor', diz modelo sobre circuncisão feminina

Somali Waris Dirie escreveu livro que inspirou filme em cartaz esta semana.Em todo o mundo, até 140 milhões de mulheres sofrem com mutilação.

 

 Ainda não encontrei resposta para a insensatez e a covardia humana, alimentada pela ignorância e tradicionalismos radicais sem fundamentos!

Que Deus tenha pena de nós.

 

 ONG de Waris Dirie - Fundação Flor do Derto
Ong da top e atriz Liya Kebede - The Liya Kebede Foundation.


Titulo Original: Desert Flower
Titulo no Brasil: Flor Do Deserto
Gênero: Drama
País de origem: Reino Unido / Alemanha / Austria
Tempo de duração: 120 minutos
Direção: Sherry Horman
Ano: 2010

Criss Freitas

 

 

 

3 comentários:

  1. Oi flor, tudo bem? passei para conhecer o seu blog gostei muito e já estou te seguindo, também sou Blogueira Unida, e te convido a conhecer meu cantinho e se gostar me siga também... www.bybeiju.blogspot.com.br e bjim e até lá!

    ResponderExcluir
  2. É por isso q eu digo q apesar do Islam, homens são homens em qualquer lugar e deve-se tomar muito cuidado com eles. Eles são por natureza egoístas, ingratos, e perversos principalmente com as mulheres que em geral nada fazem de mal para eles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim tem que ter cuidado, mas aqui na verdade é a cultura do país fazer a circuncisao feminina que nada tem de religioso ou citado no alcorao... fazem pq sao mal informados e cultivam essa cultura horrorosa... espero um dia que acabe

      Excluir